23/09/2017  às 13hs15

Geral

Apresentação sobre diversidade de gênero gera confusão em escola

Desentendimento ocorreu durante apresentação de um projeto na Escola Jovem. Assessor se manifesta sobre caso


Divulgação

Divulgação

A mostra de trabalhos da Escola de Ensino Médio Dite Freitas, a Escola Jovem, no bairro Santo Antônio de Pádua, em Tubarão, ocorrida na terça-feira (19), foi marcada por um bate-boca. O motivo do desentendimento foi a apresentação do projeto de uma das turmas do segundo ano que tinha como tema a diversidade de gêneros.

Eles trouxeram um vídeo sobre Pabllo Vittar, uma drag queen de 22 anos que está fazendo sucesso como cantora em todo o país, em que o artista mostra o seu processo de criação, além terem apresentado uma cabine de fotos e informações sobre a personagem Ivana, da novela da TV Globo A Força do Querer, que passa por um processo de readequação sexual.

A confusão na escola ocorreu no fim da tarde de terça, quando um homem de 30 anos, assessor da Câmara de Vereadores de Tubarão, esteve na sala onde ocorria a apresentação do trabalho. Diego, que prefere não divulgar o sobrenome, afirma que foi ao local por sugestão de um pai de aluno.

Ele conta que primeiro ouviu a apresentação dos estudantes para depois questioná-los a partir da lei 4.268, que trata do Plano Municipal de Educação. No artigo 9º, o texto diz que “não comporá a política municipal de ensino de Tubarão, currículo escolar, disciplinas obrigatórias, ou mesmo de forma complementar ou facultativa, espaços lúdicos, materiais de ensino que incluam a ideologia de gênero, o termo “gênero” ou orientação sexual ou sinônimos”.

Um professor da escola, que não quis se identificar, afirma que Diego, acompanhado de outro homem, teria dito que o trabalho não era permitido pela lei municipal. “Ele constrangeu os alunos. Todos os professores correram para o local. O assessor ficou alterado e ameaçou chamar a polícia. Ele não concordava com a temática do trabalho”, conta. O professor chegou no meio do bate-boca, e, de início, pensou que fosse uma discussão entre os próprios estudantes.

Acusado vai entrar com processo na justiça

“Só fiz perguntas aos alunos, encurralaram-me. O fato tomou uma grande proporção”, lamenta Diego. Ele diz que foi acusado de homofóbico e negou que tenha ameaçado de chamar a polícia ou depredado os trabalhos. O assessor diz que “foi surpreendido à noite com a sua imagem capturada pelo sistema de monitoramento da escola, seguida de texto com narrativa inverídica e distorcida”. Afirma que já registrou boletim de ocorrência e irá tomar as medidas judiciais cabíveis.

Ontem à noite, a direção da escola divulgou uma nota sobre o assunto. “Tal ação, por parte do cidadão, acabou por gerar grande comoção entre os alunos, que se inclinaram a apoiar as colegas que estavam sofrendo tal constrangimento. Cabe salientar que para a apresentação da Mostra Cidadania, Ética e Ciência foram convidados apenas alunos de ensino médio e das turmas de nono ano da rede de ensino do município, não cabendo verdade à alegação do cidadão de que temia que o tema “A Diversidade de Gêneros” fosse abordado na presença de crianças”, afirma.

O Coletivo Pró-Educação de Tubarão também se manifestou sobre o caso. “A Procuradoria-Geral da República já entrou com ação contra sete municípios brasileiros, incluindo a Cidade Azul, que proibiram a discussão de gênero em seu Plano de Educação, para suspender os efeitos dos dispositivos jurídicos dos planos municipais que impedem o debate sobre o tema nas escolas”, diz trecho da nota. Com informações do Portal Notisul.

Na sexta-feira, o assessor da Mesa Diretora da Câmara de Vereadores de Tubarão, Diego Goulart, se manifestou sobre o assunto. Ele destacou que, no período em que trabalhou como assessor do vereador Lucas Esmeraldino, foi discutido o Plano Municipal de Educação, no qual o edil propôs a emenda que pontua que não devem compor a política municipal de ensino de Tubarão materiais de ensino que incluam a ideologia de gênero, o termo ‘gênero’ ou orientação sexual ou sinônimos, e por isso questionou o debate deste tema em sala de aula. 

 “Atualmente não sou mais assessor de Lucas Esmeraldino, mas sim assessor da Mesa Diretora da Câmara com indicação do próprio Lucas, mantendo minha amizade e respeito por Lucas, pessoa que conheço há anos”, disse Diego.

Sobre o ocorrido na escola, ele disse que diversas pessoas, que ele prefere não identificar, reportaram que na “Mostra de Trabalho – Cidadania, Ética e Ciência”, promovida pela Escola Jovem, uma turma estaria apresentando um trabalho que tratava sobre ideologia de gênero.

Ele diz que a mostra era destinada ao público em geral – o que foi negado pela ADR, que pontuou que o evento era voltado a alunos do ensino médio e do nono ano do ensino básico.

Diego afirma que questionou sobre a temática do trabalho e  isso teria causado indisposição e exaltado parte dos alunos e professores. “A indagação teve o objetivo de informar sobre o que não deve compor a política de ensino escolar de Tubarão”, diz. Ele enfatizou, ainda, que esteve no local por sua livre vontade, apenas para averiguar se o tema “ideologia de gênero” estava sendo abordado, como cidadão e não como assessor da Câmara ou de qualquer vereador. 

O assessor completa que foi surpreendido com mensagens compartilhadas em redes sociais contendo uma imagem sua com uma mensagem afirmando que ele havia depreciado o trabalho, constrangido e humilhado alunos e professores. 

“A mensagem com informação inverídica, acompanhada da minha foto, foi replicada em diversos grupos. Por esses fatos não retratarem a verdade, e pelas ofensas que estão praticando contra o meu nome, honra e imagem, as medidas cabíveis serão adotadas”, finaliza.

A ADR e a direção da Escola Jovem já se posicionaram apontando que a instituição é estadual e não municipal, e a Secretaria de Educação também pontuou, sobre o tema, que as escolas estaduais não precisam seguir os planos municipais de ensino e, além disso, na proposta curricular da Secretaria de Estado da Educação existe a discussão de gênero, portanto as escolas estão aptas a trabalhar este assunto. 
Com informações do Portal Diário do Sul.


23/09/2017  às 13hs15