Janaina Alberton

Olá, meu nome é Janaina Veronezi Alberton, filha de agricultores, fato do qual me orgulho muito. Sou formada em Engenharia Agronômica pela Universidade Estadual de Santa Catarina-UDESC. Tenho pós-graduação em Gestão Ambiental e Mestrado em Ciências do Solo. Trabalho no Centro Universitário Barriga Verde-UNIBAVE na coordenação do curso de Agronomia.

Amo o cheiro dos campos, das plantações, da terra, e é por isso que estou sempre antenada ao que está acontecendo no meio rural. Me acompanhe aqui no Ligado no Sul e fique por dentro de tudo o que está acontecendo nesse meio tão inconstante e surpreendente!!

09/03/2016  às 11hs16 - Atualizado em 09/03/2016  às 11hs28

Geral

Aumento da produtividade leiteira com o uso da sobressemeadura


Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A intensificação dos sistemas de produção pastoris é apontada como uma das alternativas de exploração sustentável, minimizando a pressão sobre a abertura de novas áreas para produção agropecuária. Esse modelo, entretanto, deverá ser pautado pelo uso eficiente dos recursos físicos, incluindo a recuperação de áreas antropizadas e degradadas, calcada no aporte de conhecimento e de tecnologias poupadoras de insumos (BARCELOS et al., 2008).

O uso intensivo da pastagem irá refletir na diminuição da produtividade animal, trazendo muitas vezes prejuízo aos produtores. Desta forma, o produtor precisa recorrer a alimentos concentrados e volumosos na dieta de bovinos, principalmente de leite. Estes alimentos, como a silagem e a cana-de-açúcar apresentam um custo mais elevado do que a produção de pastagem. Sendo assim, a sobressemeadura de forrageiras temperadas contribui para reduzir o uso de volumosos, já que a aveia e o azevém são forragens de alta qualidade (MORAIS, L., 2012).

O termo sobressemeadura é usado para descrever a prática de estabelecer culturas forrageiras anuais em pastagens formadas com espécies perenes, normalmente dominadas por gramíneas, sem destruir a vegetação existente. Caracteriza-se também por envolver baixos custos, manter a estrutura física do solo e não eliminar espécies presentes na área utilizada, contribuindo para a melhoria da composição da pastagem. Também contribui para a melhoria na fertilidade do solo com a incorporação de nitrogênio e matéria orgânica, maior potencial de rebrota da espécie de gramínea na primavera e controle de plantas invasoras (ROSO, C. et al.,1999). Outra vantagem observada desta técnica é a possibilidade de uso contínuo da pastagem após o término do inverno, intensificando a utilização e maximizando o uso do solo.

A prática da sobressemeadura reduz os custos de produção do leite, além de diminuir as áreas de plantio de alimentos volumosos, uma vez que a sobressemeadura utiliza o mesmo espaço do capim tropical. A sobressemeadura de forrageiras de inverno pode ser feita em áreas ocupadas por qualquer capim de verão, desde que o manejo empregado seja adequado. Esta técnica também apresenta vantagens ambientais, uma vez que o produtor não precisa aumentar sua área produtiva a partir de derrubadas de matas.

Espécies como o azevém anual ou a aveia, por exemplo, possibilitam aumentos na produção de forragem no inverno resultando em melhor distribuição da produção ao longo do ano. Com isso, é possível prolongar a estação de pastejo e permitir que os animais tenham acesso a uma forragem de alto valor nutritivo em parte do ano, uma vez que, caracteristicamente, as forrageiras de inverno apresentam altos teores de proteína bruta e alta digestibilidade durante esse período crítico.

A aveia preta possui índices bromatológicos altamente desejáveis, como teor de proteína bruta (PB) entre 17 e 23% e baixo teor de Fibra Detergente Ácido (FBA), apresentando valores entre 27 a 34%, o que caracteriza alta digestibilidade e conversão alimentar (CECATO, et al, 1998) e o azevém, possui alto valor nutritivo, capacidade de ressemeadura e facilidade de estabelecimento (AGUINAGA, et al, 2006)

Assim, com altos níveis de forragem, a produtividade fica estável ou até aumenta durante o período de inverno, fazendo com o lucro obtido pelo produtor, não caia nestes períodos.


09/03/2016  às 11hs16