15/07/2020  às 12hs16 - Atualizado em 15/07/2020  às 15hs18

Geral

Bioquímica explica diferenças entre testes para Covid-19


Foto: Noellen Nascimento

Foto: Noellen Nascimento


A bioquímica e proprietária do Laboratório Bioviver, Sibelle Salvador, concedeu entrevista à Guarujá na manhã desta quarta-feira, dia 15, para falar a respeito dos diferentes tipos de testes para Covid-19. Entre eles, ela citou o RT-PCR, que, segundo a especialista, é considerado o padrão-ouro no diagnóstico do coronavírus quando o paciente está entre o terceiro e sexto dia do sintoma.


"Porém, para o terceiro, sexto, sétimo de sintoma, o ideal é essa coleta de Swab, que é um cotonete mais comprido, com uns 15 centímetros de comprimento. Ele é introduzido em uma narina do paciente até encontrar resistência da parede posterior da nasofaringe", explicou. "Geralmente, ele sobra só um ou dois centímetros fora, só onde se segura mesmo. A coleta é bem desagradável, mas, para diagnosticar bem precocemente, é a melhor que tem no momento do terceiro ao sétimo dia".


Segundo ela, o motivo de ser mais eficiente é porque ela busca a presença do vírus no organismo. No sorológico (coleta de sangue), entretanto, se busca a presença dos anticorpos. "Primeiro, temos o contato com o vírus para depois o organismo, o sistema imunológico produzir os anticorpos para aí sim, em uma quantidade X, ser possível pegar em exames de sangue, que são os sorológicos", explicou. Sendo assim, o ideal é que a coleta seja realizada no sétimo dia de sintoma.


Confira a entrevista completa neste link.


15/07/2020  às 12hs16