30/11/2020  às 10hs58

Saúde

Centro de Triagem da Covid-19 de Orleans passa atender em novo endereço a partir de hoje


Foto: Divulgação

Foto: Divulgação


O Centro de Triagem de Orleans passa a funcionar em novo endereço a partir desta segunda-feira, dia 30. Os atendimentos ocorrem no Centro de Convivência da Terceira Idade Emília Pinter Debiasi, no bairro Barro Vermelho, ao lado da APAE.


O funcionamento continuará das 8h às 22h de segunda a sexta-feira e das 9h às 19h aos sábados e domingos. São dois médicos atendendo nos períodos da manhã e tarde. No período noturno, até as 22 horas, um médico continuará o atendimento. Aos fins de semana, o atendimento também é realizado por apenas um médico. Além disso, o Centro de Triagem conta com a atuação da equipe de enfermagem e de limpeza.


O secretário da Saúde de Orleans, Murilo Debiasi Ferrareis, em entrevista à Rádio Guarujá nesta segunda-feira, dia 30, informou a razão da mudança de endereço. "O intuito foi atender em um espaço mais amplo, arejado e climatizado, que proporciona mais conforto para a equipe e para as pessoas que procurarem atendimento".


Segundo ele, a última semana em Orleans foi a que teve o maior número de casos confirmados de Covid-19 desde o início da pandemia, com 292 diagnósticos positivos. Além disso, foram mais de 500 atendimentos no Centro de Triagem nos últimos sete dias. As três últimas semana registraram alta no número de casos.


Outra informações divulgada na entrevista foi de que o prefeito e o vice-prefeito de Orleans, Jorge Koch e Mário Coan, que diagnosticaram positivo para Covid-19, retornaram às atividades nesta segunda-feira.


Ao secretário, foi questionado também se o retorno de Carlos Moisés ao Governo de Estado traria mudanças no que diz respeito à proibição e restrição de atividades no estado, ou, até mesmo, um possível lockdown. Contudo, conforme o secretário, é aguardado o posicionamento de Carlos Moisés em relação ao momento que Santa Catarina atravessa.


"A gente sabe que o lockdown não é uma alternativa muito viável, porque existe todo contexto econômico e social envolvido, mas o que, principalmente, o Estado pode e deve fazer é dar suporte aos Municípios para este enfrentamento com a retaguarda dos leitos de UTI e disponibilidade de equipamentos e materiais necessários", ressaltou.


Confira a entrevista completa neste link!


30/11/2020  às 10hs58