11/01/2018  às 10hs24

Geral

Defesa Civil diz que o alerta permanece

Em decorrência da chuva, até a tarde de ontem já havia sido registrada uma queda de muro em Braço do Norte e duas ocorrências mais significativas em Imbituba


Foto: reprodução Diário do Sul

Foto: reprodução Diário do Sul

As chuvas das últimas 36h, que já superam os 100mm no Litoral catarinense, especialmente entre o Litoral Sul, a Grande Florianópolis e o Litoral Norte, e a previsão para os próximos dias mantêm a Defesa Civil do Estado em alerta. 

De acordo com o coordenador regional da Defesa Civil, o sargento do Corpo de Bombeiros Anderson Martins Cardoso, somente na região a precipitação pluviométrica ontem girava em torno de 75mm a 90mm. Em Imbituba foi registrado o maior volume. Nas primeiras 24h, das 7h da manhã de terça até as 7h da manhã de ontem, o índice pluviométrico era de 68,2. Ontem  pela manhã este número já havia subido para 88mm.
 
“Esses acumulados de chuva podem causar alagamentos pontuais e deslizamentos de terra, por isso nossa preocupação. Pedimos para que as pessoas acompanhem os alertas oficiais do Estado, principalmente pelas mídias sociais, sites do governo e SMS. Recomendamos também observar as áreas próximas e suas condições. Qualquer alteração deve ser comunicada à Defesa Civil pelo telefone 199 ou ao Corpo de Bombeiros pelo 193”, informou.

Em decorrência da chuva, até a tarde de ontem já havia sido registrada uma queda de muro em Braço do Norte e duas ocorrências mais significativas em Imbituba, com avarias em duas residências e desmoronamento do terreno. 

A outra maior preocupação, segundo o sargento Anderson, é que, mesmo quando a chuva parar, o solo ainda esteja encharcado, continuando, assim, com as condições de deslizamentos. Além disso, mesmo com o tempo melhorando, as pancadas de chuva típicas do verão também podem acarretar novos alagamentos. “Por isso é importante que, principalmente as pessoas que moram em áreas de risco, entrem em contato com a Defesa Civil ou com o Corpo de Bombeiros para que seja avaliada a 
situação”, reforça.

“Deve ser observado qualquer movimento de terra ou rochas próximas a suas residências, inclinação de postes e árvores e rachaduras em muros ou paredes. Neste caso, é recomendável que a família saia de casa e acione a Defesa Civil municipal ou o Corpo de Bombeiros”, explica.


Outros perigos

Com o grande volume de chuva, que trouxe alagamento para muitas áreas, o sargento Anderson, da Defesa Civil, alerta também para os cuidados ao trafegar em ruas alagadas. “Pedimos que as pessoas evitem passar com seus veículos, ou mesmo a pé, pelas áreas alagadas. Pode haver buracos ou bocas de lobo e corre-se o risco até de ser ‘sugado’, causando um acidente grave. Outra preocupação é com as doenças que os alagamentos podem trazer, como a leptospirose”, pontua.


Chuvas devem ir até amanhã no Estado

A boa notícia é que a chuva deve ir embora no final de semana. Segundo a meteorologista da Epagri/Ciram, as chuvas ficam na região até amanhã. No sábado, o dia já amanhece com menos nebulosidade e não há previsão de chuva.
No domingo continua a mesma situação, apenas com uma possível pancada de chuva no final do dia por conta do calor. 
Segundo ela, a previsão para o verão não é de um alto volume de chuvas, mas elas podem ocorrer pontualmente, como esta semana.


Recomendações da Defesa Civil

Em caso de tempestades com descargas elétricas, vento e granizo, deve-se permanecer em local seguro e não transitar em locais abertos, próximo a árvores, placas publicitárias ou objetos que possam ser arremessados. Se houver granizo, é aconselhável que as pessoas se protejam em lugares com boas coberturas, fechem as janelas e portas e não manuseiem nenhum equipamento elétrico ou telefone, devido aos raios e relâmpagos.


11/01/2018  às 10hs24