18/06/2019  às 15hs04 - Atualizado em 18/06/2019  às 16hs21

Polícia

Morte no Verdinho não foi um latrocínio

Homem que foi morto no último fim de semana foi vítima de Homicídio



A Polícia Civil, de Criciúma, por meio da Divisão de Investigação Criminal (DIC), elucidou a morte de um homem, de 54 anos,na noite do último sábado, no bairro Verdinho, em Criciúma. Inicialmente, a suspeita era de que o caso se tratasse de um latrocínio, mas, na verdade, o fato foi um homicídio.


O coordenador da DIC de Criciúma, delegado Jorge Giraldi, explica que a morte ocorreu por conta de uma traição. “A esposa da vítima mantinha um relacionamento extraconjugal com o suspeito de ter cometido, um homem de 29 anos, natural de São Luiz Gonzaga, no Maranhão”, afirmou.


Ontem, em depoimento ao delegado, o suspeito confessou o assassinato. “Os depoimentos dele e da viúva coincidem. A versão é de que eles estavam na residência quando o marido chegou. Foi quando houve um desentendimento. O suspeito alegou que foi agredido com uma barra de ferra na cabeça, e ele tem o ferimento, e com uma cadeirada. Para se defender pegou uma faca de cozinha e desferiu golpes na vítima”, contou Giraldi.


Logo após o crime, a mulher pegou o carro e levou o amante até uma o local onde ele estava morando, no bairro Quarta Linha. Na sequência, ela ainda foi até a casa do filho onde inventou a história de que a morte teria ocorrido durante um assalto a residência.


“Só que ela confirmou que fez isso com medo do amante e que a morte não foi premeditada. Segundo ela afirmou em depoimento, o marido costumava chegar de viagem e pedia para buscá-lo. Dessa vez ele chegou em casa sem avisar e houve o desentendimento”, disse o delegado.


Prisão preventiva


Conforme o coordenador da DIC, o caso agora será repassado ao delegado André Milanese, responsável pela divisão de homicídios. E, inicialmente, apenas a prisão preventiva do suspeito deve ser solicitada.


“Como ele não é daqui, vamos tomar esse cuidado. Se responder em liberdade, pode acabar fugindo para a sua região e não ser mais encontrado. Feito isso, o delegado André dará continuidade às investigações”, explicou Giraldi.


 


Fonte: DnSul


18/06/2019  às 15hs04