11/09/2017  às 09hs19

Polícia

Peritos investigam causa do incêndio no Centro Cultural Jorge Zanatta


Foto: Gabriel Bosa/A Tribuna

Foto: Gabriel Bosa/A Tribuna

Técnicos do Corpo de Bombeiros de Criciúma já iniciaram a perícia que apontará a origem do incêndio que destruiu parte da estrutura do Centro Cultural Jorge Zanatta, na Rua Coronel Pedro Benedet, na região central, no início da manhã desse domingo. Até o momento, nenhuma possibilidade foi descartada. Um laudo deverá ser emitido às autoridades em até 30 dias.

A falta de energia elétrica na estrutura descarta um eventual curto-circuito. As evidências coletadas até então presumem que o fogo tenha iniciado pela ação de alguém, mas ainda não se sabe de qual forma e se foi um ato intencional ou acidental.

Um Boletim de Ocorrência (BO) foi registrado pela Administração Municipal e as investigações foram iniciadas ainda na manhã de ontem pela equipe de plantão da Polícia Civil. Segundo o delegado Márcio Campos Neves, os trabalhos são dificultados pela falta de testemunhas e câmeras de vigilância no local.

“Vamos aguardar pela perícia para esclarecer a causa deste incêndio. Aquele é um local bastante visitado por andarilhos e usuários de drogas. Pode ter sido deixado algo aceso lá dentro e, como a grande parte dos materiais era de fácil combustão, o fogo se espalhou pela estrutura”, explica.
Por ser um prédio tombado como Patrimônio Nacional, as investigações do incêndio no Centro Cultural Jorge Zanatta serão repassadas à delegacia da Polícia Federal de Criciúma.

Este é o segundo incêndio no casarão em menos de um mês. No domingo do Dia dos Pais, um foco foi descoberto na estrutura. À época, a Polícia Civil havia alertado o Executivo sobre os riscos de uma nova ocorrência no local.

Fogo destruiu parte nos fundos

O Corpo de Bombeiros foi acionado próximo às 7h30min de domingo, após vizinhos perceberem fumaça saindo da parte dos fundos do complexo. As chamas atingiram a cobertura de uma área com aproximadamente 600 metros quadrados. O local era usado para depósito de papel, livros, materiais plásticos e restos de carvão.

Três viaturas foram acionadas, deixando o trânsito bloqueado na Rua Coronel Pedro Benedet durante o atendimento à ocorrência. Foram necessários 40 mil litros de água para controlar o fogo. A parte dos fundos possui aproximadamente 1,3 mil metros quadrados, divididos em três galpões, sendo o do meio e o do lado esquerdo os mais danificados. As chamas destruíram e derrubaram a cobertura do local.

Cronograma de restauração será mantido

Segundo o prefeito Clésio Salvaro, o sinistro não atrapalhará os planos de restauração da estrutura. Os trabalhos serão feitos em conjunto pela Administração Municipal, Governo Federal e Departamento Nacional de Produção Mineral (DNPM). A primeira etapa será o restauro da cobertura, sob responsabilidade da União, ao custo de R$ 500 mil. Toda a obra está orçada em R$ 1,2 milhão.

No fim de agosto, o Ministério da Fazenda, através da Secretaria de Patrimônio da União (SPU), anunciou a liberação do processo seletivo para escolha da empresa que executará as obras. O cronograma prevê a abertura dos envelopes no próximo dia 20. A projeção é encerrar a obra 90 dias após o seu início.

O restante da recuperação estrutural será feito pela Prefeitura e DNPM. “Claro que ninguém desejava isso, mas foi um incêndio que não trouxe nenhum prejuízo para esta obra que está para ser restaurada. O que foi destruído já iria ser retirado por não ter a menor condição de uso”, expõe Salvaro.

 

Com informações do site Clicatribuna


11/09/2017  às 09hs19