20/11/2017  às 09hs32

Polícia

PM deixa de fazer rondas em Tubarão por falta de combustível


Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

Orientados a suspender as rondas e saírem apenas para atender chamados de ocorrências, viaturas da Polícia Militar (PM) seguem em ritmo de trabalho reduzido. A decisão se estende por conta da falta de repasse necessário de verba para a compra de gasolina.

Em Tubarão, a situação é frequente e, na última semana, o assunto foi relatado no DS, quando, após um assalto, a vítima foi orientada a seguir para a delegacia, pois a viatura da PM estava sem combustível para ir até o local do crime. 

A situação vivenciada pela região de Tubarão se estende por Santa Catarina. De acordo com o comandante da 8ª Região de Polícia Militar (RPM), coronel João Carlos Neves Júnior, a orientação do Estado é ‘apertar os cintos’, devido à crise. “Estamos vivendo uma fase de contenção. O dinheiro que vinha antes para abastecimento do mês todo está vindo para duas semanas, por exemplo”, informa o comandante. 

Segundo o coronel Neves, entre as ações que foram reduzidas estão as rondas ostensivas. “Infelizmente, é a decisão que tivemos que acatar. Hoje, por exemplo, quando uma viatura sai para uma ocorrência, que seja de menos vulto, ela permanece no endereço. Antes, já se fazia rondas pelo local”, analisa o comandante. 

Diante da falta de repasse, conforme a Associação de Praças de Santa Catarina (Aprasc), em cidades maiores, como São José e outros, a ordem de não fazer rondas está em vigor desde sexta-feira. Conforme o comandante da 8ª Região, hoje o comando geral da Polícia Militar de Santa Catarina (PMSC) deve se posicionar sobre o assunto e destacar como fica a situação sobre o repasse.

 

Com informações do Jornal Diário do Sul


20/11/2017  às 09hs32