23/08/2017  às 09hs59

Economia

Prefeito aponta desespero da cidade sem a JBS


Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

O fim das operações da JBS Alimentos caiu como uma bomba em Morro Grande, município de menos de 3 mil habitantes a 48km de Criciúma, no Vale do Araranguá. “Pelo menos 60% do nosso retorno de ICMS vem da JBS”, lamenta o prefeito Valdionir Rocha (PSD).

A empresa, que emprega cerca de 740 trabalhadores no município, vai fechar as portas em 1º de novembro. A direção da empresa já avisou que ficarão empregados apenas os cerca de 50 funcionários do setor de rações e alguns outros que serão transferidos para as unidades de Forquilhinha e Nova Veneza. “Mas vamos perder mais de 500 empregos com certeza”, aponta Rocha.

O prefeito conta que a cidade está impactada com a informação. “Nunca tivemos desemprego aqui, agora teremos um impacto social muito grande”, projeta, lembrando que há pelo menos 400 vinculados à JBS que residem em Morro Grande e estarão entre os demitidos. “A população está abalada, as pessoas estão tristes, há um desespero grande entre as pessoas, o comércio está abatido”, afirma o chefe do Executivo.

Corte na carne

A queda da arrecadação vai gerar, ainda, um forte enxugamento na máquina pública. O prefeito Rocha confirma que precisará reduzir o tamanho da estrutura administrativa. “Não teremos como manter a estrutura atual, seremos forçados a fazer cortes”, reconhece. “Ainda não temos nem como imaginar como ficará a prefeitura com menos 60% de ICMS”, avalia.

Por enquanto as contas estão em dia. “Não temos dívidas com funcionalismo nem com fornecedores. Mas será uma nova realidade, e precisamos nos preparar para ela”, aponta. Uma reunião com o secretariado e vereadores vai ocorrer na sexta-feira para tratar dos próximos passos da gestão.

Esperança de atrair nova empresa

Mas há uma esperança no ar. O prefeito já tinha conhecimento do risco de perda da JBS fazia algumas semanas. “Era extraoficial, oficializaram nesta terça, já estamos em busca de alternativas”, conta. Rocha fez contato com um empresário do mesmo segmento da JBS buscando atrair um novo investimento. “E ele ficou interessado, devemos fazer uma reunião no dia 30 para tentar avançar”, explica.

O espaço físico onde opera a JBS é de propriedade da empresa. “Eles adquiriram em fevereiro”, confirma o prefeito. Por isso, se um novo empreendedor investir na cidade é provável que tenha que buscar uma sede também.

Prefeitos convocados

O prefeito de Morro Grande é também presidente da Associação dos Municípios do Extremo Sul Catarinense (AMESC). Valdionir Rocha está convocando seus colegas para uma reunião na próxima sexta-feira. “Vamos tratar desse fechamento da JBS em conjunto pois é um problema que vai afetar toda a região”, observa.

“Estamos buscando os dados com a equipe do movimento econômico da AMESC e vamos apresentá-los na quinta-feira”, diz Rocha. Além dos empregos perdidos há grande temor com o futuro dos avicultores que forneciam para a JBS de Morro Grande.

 

Com informações do site Engeplus


23/08/2017  às 09hs59