17/05/2017  às 15hs52 - Atualizado em 17/05/2017  às 16hs28

Política

Prefeitos da AMREC participam da XX Marcha dos Prefeitos, em Brasília

Prefeitos Jorge Koch, de Orleans, e Valdir Fontanella, de Lauro Muller, participam do encontro e afirmaram ter boas notícias para os seus municípios


Foto: Divulgação | Ligado no Sul

Foto: Divulgação | Ligado no Sul

Os prefeitos de oito municípios da AMREC participam nesta semana, desde segunda-feira (15), da XX Marcha dos Prefeitos, em Brasília, em defesa dos municípios. O evento é promovido pela Confederação Nacional dos Municípios (CNM) e acontece no Centro Internacional de Convenções do Brasil (CICB), até quinta-feira (18), com a participação de seis mil municipalistas, entre prefeitos, vices e vereadores.

No início desta tarde, em entrevista à Rádio Guarujá, o prefeito de Lauro Muller, Valdir Fontanella, falou sobre o cronograma de ações que cumpre junto aos demais prefeitos no Distrito Federal e comentou que entre as novidades já discutidas no evento, a principal foi já no ato de abertura, quando o presidente da república, Michel Temer, assinou uma Medida Provisória - MP que prevê o parcelamento da dívida previdenciária dos municípios em até 200 meses, diferente do que rege a Lei atual que tem prazo de 60 meses.   

“A partir de agora além do parcelamento em 200 meses, teremos um desconto de 80% nos juros e 25% nas multas. Mesmo aqueles INSS que haviam sido parcelados serão globalizados e terão os descontos. Com certeza isso vai dar um fôlego a mais para os municípios”, afirmou o gestor municipal.

Além disso, fazendo um balanço geral sobre o encontro que já está no seu 3º dia, Fontanella comentou que a marcha tem se mostrado mais produtiva que nos últimos anos. “Esse ano temos a presença de mais de cinco mil políticos aqui, é muita gente. A adesão foi muito maior do que nos anteriores e com certeza as conversas e resultados foram mais produtivos e proveitosos”, completou.

O prefeito de Orleans, Jorge Koch, também falou bem da aprovação de Temer. O político disse ao Ligado no Sul que a medida trará boas mudanças para o financeiro da cidade. “Com essa aprovação, em Orleans acredito que vamos reduzir um pagamento de R$25 mil por mês para quase cinco mil, diferença de R$20 mil por mês, num ano isso vai somar R$ 240 mil, o que dá uma folga significativa no caixa da prefeitura”, disse.

Veto à Lei do ISS

A grande expectativa ainda é que derrubem o veto pela Câmara dos Deputados da Lei do ISS. “Estamos cobrando e vamos cobrar quando da votação. Esse veto da a possibilidade melhorar a contribuição de ISS aos municípios”, comentou à assessoria de comunicação da AMREC, o presidente e prefeito de Cocal do Sul, Ademir Magagnim, que afirmou que os prefeitos estão atentos ao assunto, que pode trazer incremento de 12 milhões de reais num ano aos municípios da AMREC.

O veto ao ISS impede que cerca de R$ 6 bilhões sejam redistribuídos aos Municípios brasileiros, R$ 228 milhões apenas para os de Santa Catarina. A presidente da Federação Catarinense de Municípios (FECAM), Adeliana Dal Pont, afirma que a pressão é para que o presidente do Senado convoque a sessão conjunta para as votações do veto. “Estamos conversando com cada congressista para sensibilizá-los pela causa”, explicou.

Com o veto os recursos do ISS de todo o país sobre operações de cartão de crédito, leasing e planos de saúde se concentrem em poucas cidades, independentemente do local onde se processa a compra. A sessão conjunta do Congresso Nacional para análise dos vetos presidenciais, havia sido marcada para o dia 2 de maio, mas acabou cancelada.

 Estão em Brasilia, além do presidente da AMREC e prefeito de Cocal do Sul, Ademir Magagnin; os prefeitos de Lauro Muller, Valdir Fontanella; de Morro da Fumaça, Noi Coral; de Nova Veneza, Rogerio Frigo; de Orleans, Jorge Koch; de Siderópolis, Hélio Cesar; e de Urussanga, Gustavo Cancellier e de Forquilhinha, Dimas Kammer;.


17/05/2017  às 15hs52