22/10/2019  às 10hs24 - Atualizado em 22/10/2019  às 11hs32

Esportes

Risco de queda do Tigre é de 85%

Time precisa de 17 pontos para não ser rebaixado para a Série C. Números são do matemático Tristão Garcia, do site Infobola.


Foto: Lucas Colombo

Foto: Lucas Colombo


Um dos piores visitantes da Série B, o Criciúma vê o risco de queda aumentar, após a derrota em casa para o CRB. Segundo dados do matemático Tristão Garcia, o risco de queda aumentou para 85%. Antes da partida de sexta-feira, o número era de 76%. O número mágico para a permanência, ainda de acordo com o estudioso, é de 46 pontos. Neste caso, o Criciúma precisa de mais 17 dos 24 pontos ainda em disputa, ou seja, cinco vitórias e dois empates. Outra possibilidade é vencer seis partidas e chegar aos 47 pontos. O único clube em situação pior que o Tigre é o lanterna São Bento. O time do interior paulista tem 90% de chances de ser rebaixado.


Por outro lado, o equilíbrio da Série B, neste ano, é muito grande. Nenhum clube ficou muito para trás na competição. A diferença do último colocado, São Bento, que tem 27 pontos, para o Vitória, primeiro time fora da zona de rebaixamento, é de apenas seis pontos. Guarani, Londrina e Oeste – 13º, 14º e 15º colocados, respectivamente – tem 35 pontos.  Assim, o grande número de “perde e ganha” entre as equipes pode baixar o número considerado ideal para um time não ser rebaixado.


Vale lembrar que, em 2016, o Oeste conseguiu escapar do rebaixamento com apenas 41 pontos. Aliás, o time do interior paulista finalizou a Série B na 16ª colocação – o primeiro a não ser rebaixado – em três dos últimos quatro anos. Na edição de 2018, o time de Barueri precisou de 46 pontos para não cair. Entretanto, o primeiro rebaixado foi o Paysandu com 43 pontos. Em 2015, o Oeste fez 44 pontos.


 


Fonte: TN Sul.


22/10/2019  às 10hs24