05/01/2021  às 15hs01

Geral

Série de entrevistas sobre desativação da usina termelétrica: presidente da ABCM, Fernando Zancan



O anúncio da Engie, em dezembro, determinando a desativação da usina termelétrica Jorge Lacerda a partir de 2021, quando será́ iniciado o desligamento dos geradores, gerou preocupação e mobilizou autoridades em Santa Catarina. Isso porque o setor representa mais de 20 mil empregos diretos e indiretos e uma economia que gira em torno de R$ 20 bilhões ao ano, resultando inúmeros reflexos socioeconômicos.


Dois dos sete geradores existentes na usina serão desligados neste ano e o cronograma para desativação total segue até 2025. Para entender as consequências e os desdobramentos desta decisão, a Rádio Guarujá iniciou uma série de entrevistas a partir desta terça-feira, dia 5. O primeiro entrevistado foi o presidente da Associação Brasileira de Carvão Mineral (ABCM), Fernando Luiz Zancan.


"As empresas europeias de energia estão partindo para um posicionamento focado em não operar mais com combustíveis fósseis. No caso da Engie, aqui no Brasil e no mundo, ela tem vendido os seus ativos de combustíveis fósseis e, no caso aqui do Brasil, do carvão. Todas as empresas europeias basicamente foram nessa linha, diferentemente de outros países, como os asiáticos, que estão indo para o carvão. Então é uma questão de posicionamento de mercado da empresa", explicou.


Segundo o presidente da ABCM, é necessário que o Governo Federal tome medidas no sentido de buscar uma solução para a saída da empresa do parque termelétrico de carvão brasileiro. "No dia 22 de dezembro, saiu a portaria nº 452, do Ministério de Minas, que foi fruto de uma reunião na qual estivemos com o ministro de Minas e os parlamentares da região. Neste encontro, ficou definido a criação de um grupo de trabalho para avaliar o problema e definir de que forma será resolvido. Este grupo de trabalho começou a se reunir ontem oficialmente e tem 180 dias de prazo para chegar à conclusão de quais medidas irá sugerir ao Governo Federal", informou.


Confira a entrevista completa neste link.


05/01/2021  às 15hs01