09/09/2014  às 20hs44

Geral

Teleférico da Serra do Rio do Rastro deverá ser implantado até 2017

Ações para a viabilização do projeto estão voltadas para estudo ambiental que decidirá a execução da obra


Foto: Imagem ilustrativa cedida pela Weber Empreendimentos

Foto: Imagem ilustrativa cedida pela Weber Empreendimentos

O projeto que prevê a implantação de um teleférico para ligar os municípios de Siderópolis e Bom Jardim da Serra deve ser inaugurado em 2017. De acordo com a empresa Weber Empreendimentos, de Braço do Norte, responsável pelo projeto, a viabilidade econômica do investimento já foi constatada em um estudo realizado na região por uma empresa italiana. “Praticamente concluímos os trabalhos de estudos e a obra é viável. A estimativa é de que em 5 a 6 anos o investimento comece a dar um retorno para a região”, destaca o engenheiro civil, Roberto Brolese.

Conforme o projeto da obra, a linha de extensão do teleférico terá 2.565 metros de comprimento. O percurso é o mais curto apontado nos estudos feitos na região para comparar diferentes opções de partida e chegada possíveis entre os municípios para o teleférico.

A expectativa de público para a futura opção turística é baseada no movimento de visitantes registrados em investimentos similares em funcionamento. “O plano de viabilidade econômica tem como base os municípios de Camboriú e Nova Trento, onde, em média, 15 mil pessoas passam por ano pelos teleféricos de cada cidade, ou seja, cerca de 500 pessoas por dia”, explica Brolese.

Para projetar a linha de cabos para a circulação do teleférico será necessária a colocação de 15 torres de sustentação ao longo do percurso. A empresa italiana Leitneer, que projetou o teleférico do Pão de Açúcar e do Morro do Alemão, ambos no Rio de Janeiro, atualmente, atua na realização do levantamento da área a fim de identificar os aspectos ambientais que a obra precisará para ser executada. “O nosso maior desafio é a questão ambiental, vamos passar pela Reserva do Aguai, e por toda a extensão da Serra do Rio do Rastro, portanto, precisamos saber exatamente o que pode ser feito, o nosso objetivo é integrar com o meio ambiente e não degradar”, destaca o engenheiro.

A conclusão do estudo ambiental é a última etapa antes do início da implantação do projeto. Conforme Brolese, as duas principais cidades envolvidas: Siderópolis e Bom Jardim da Serra, estão engajadas na viabilização do projeto e as tratativas para a participação de investidores interessados em apostar na iniciativa já estão em andamento. “Fizemos a projeção de um consórcio liderado pela Weber, com lotes de 30% e 40% do valor do investimento e já tivemos a representação de cotistas interessados”, destaca Brolese.

A Reserva do Aguai, responsável por 46% da água potável da região será uma das áreas que poderão ser contempladas por quem passear com o teleférico. Conforme Paulo Renato Cadallóra, coordenador de projetos do Instituto do Aloata, que atua dentro da reserva a iniciativa é bem-vinda, mas carece de um amplo debate no sentido de apurar a melhor opção para a região. “Precisa ser visto a viabilidade técnica disso, discutir todos os aspectos: o ambiente, a comunidade, as instituições envolvidas e, sobretudo, o empreendedor para que depois não tenhamos um projeto que não comporte as necessidades da região ou atenda as expectativas de quem investiu”, propõe.


Engeplus


 


09/09/2014  às 20hs44