05/07/2019  às 14hs58

Polícia

Tentativa de homicídio mobiliza operação da Polícia Civil em Orleans


Foto: Divulgação / Polícia Civil

Foto: Divulgação / Polícia Civil


A Polícia Civil de Lauro Müller, com apoio da Polícia Civil de Orleans, Serviço Aeropolicial (SAER) e Ministério Público de Lauro Müller desencadeou a Operação Sicários nesta sexta-feira, dia 5, em Orleans.


O crime pelo qual a operação foi desencadeada ocorreu no dia 16 de janeiro de 2019, durante a madrugada, na Estrada Geral Mina Nova, em Lauro Müller. Três homens entraram na residência de C. R. de S., 48 anos, e de sua esposa, E. C., 34 anos, e, após furtarem alguns objetos, acordaram o morador C., que saiu do quarto, no escuro, e foi atacado sem chance de defesa, com facadas. Uma delas atingiu o pescoço, fato que poderia ter levado-o a morte.


A investigação foi iniciada e o casal foi ouvido em uma primeira oportunidade. Em momento posterior, C. descobriu que E., sua então esposa, havia sacado R$ 6,5 mil da conta conjunta do casal, constatando também que, no dia dos fatos, a porta da residência estava aberta, sendo que a porta que dá acesso aos quartos, que possui um jeito específico de abrir, conhecido apenas pelos morados e pessoas muito próximas, havia sido aberta pelo trio de criminosos.
 
Na investigação, verificou-se que os cachorros não ladraram no dia do crime e que os autores entraram na residência sem sapatos, os quais foram deixados em uma árvore perto da casa, o que indicam que os suspeitos seguiram um caminho conhecido por poucos, que não chamou a atenção dos cães.
 
Diante da circunstância dos saques dos valores acima citados, C. confrontou E., gravando o diálogo, onde ela disse que o dinheiro foi entregue à pessoa que estava ameaçando a família e os filhos, mas que não iria “botar o nome da pessoa na Delegacia”, surgindo informação, apresentada por pessoa que não desejava se identificar, que E. pagou os valores para que pessoas dessem cabo à vida do marido.
 
Em nova inquirição, E. apresentou uma versão estapafúrdia para a suposta extorsão, dizendo que estavam exigindo valores dela para que não contassem que ela havia adquirido uma motocicleta, financiada, às escondidas do marido, para o filho do casal, a qual seria entregue no aniversário do descendente. No depoimento, ela disse também já está separada de C. há três meses e que já estava vivendo em união estável com outra pessoa, na cidade de Urussanga, imputando as supostas “ameaças” e “exigências de valores” à pessoa por ela identificada, sendo que essa pessoa acabou sendo ouvida e afirmou que E. havia pedido para ele procurar alguém que pudesse fazer seu marido sofrer um acidente de trânsito, oferecendo metade do valor do seguro de vida do marido.


Todavia, como a pessoa procurada não quis encontrar uma pessoa, E. teria contatado uma pessoa que simularia um furto e daria cabo à vida de C., fato, inclusive, que acabou sendo confirmado por E. à testemunha posteriormente. Diante da situação, face à existência de um possível homicídio duplamente qualificado, pelo pagamento de recompensa e pela utilização de recurso que dificultou a defesa do ofendido, representou-se pela decretação da prisão temporária de E., 34 anos, bem como pela decretação de busca e apreensão na sua residência, as quais foram deferidas pelo juiz da Vara Única de Lauro Müller, com manifestação favorável da Promotoria de Justiça.


Assim, na manhã de 28 de junho foram cumpridas as medidas cautelares de busca e apreensão e prisão temporária de E. Após o novas investigações, descobriu-se que uma adolescente, além de P. da S. S., 23 anos, e K. A. da S., 28 anos, teria participado do crime, tendo a execução se dado na madrugada do dia 16 de janeiro, exatamente depois que a família recebeu o pagamento da entrega do leite, sendo representada pela prisão temporária dos maiores e por três buscas e apreensão, as quais foram cumpridas nesta sexta-feira, dia 5, com apoio do SAER, participando da ação policiais civis de Lauro Müller e Orleans. O investigado Kelven Altevir da Silva, natural do Paraná, esta foragido.


*Sicários seriam seguidores de Hassan ibn Sabbah, os quais deram origem ao termo assassino. A ordem dos assassinos foi uma seita fundada no século XI por Hassan ibn Sabbah, conhecido como O Velho da Montanha. Desde Marco Polo, que se acredita que o termo provém de "haxixe", ou que o nome da erva haxixe tem origem no ato de "haschichiyun", que significa "fumador de haxixe". Algumas fontes cristãs medievais relatam que os Assassinos teriam por hábito consumir esta substância antes de perpetrarem os seus ataques, induzindo-lhes a visão do Paraíso. O termo viria de "Assass" – ou seja, "os fundamentos" da fé islâmica. Mas muitas são as versões sobre essa nomenclatura, como nome da seita teria dado origem às palavras "assassino" e outras semelhantes em várias línguas europeias. A palavra sicários significa matador de aluguel ou quem é contratado para matar alguém.


05/07/2019  às 14hs58