07/08/2018  às 14hs37

Educação

Trabalho desenvolvido na Unesc é apresentado em Conferência Internacional de Alzheimer

Josiane Budni participou do evento nos Estados Unidos


Foto: Divulgação

Foto: Divulgação

A Unesc esteve presente na Conferência da Associação Internacional de Alzheimer, que ocorreu em Chicago, Estados Unidos. A coordenadora adjunta do PPGCS (Programa de Pós-Graduação Ciências da Saúde) da Universidade, Josiane Budni, apresentou trabalho naquela que é considerada a maior e mais influente conferência em Alzheimer no mundo. O evento teve a participação de aproximadamente 6 mil pesquisadores e dos mais importantes nomes da pesquisa na área da demência. Estudos clínicos e pré-clínicos foram apresentados ao longo de cinco dias de atividades, ocorridas na segunda quinzena de julho.

O trabalho apresentado por Josiane foi “Prevalence of Cognitive Impairment and Associated Factors in Oldest-Old Residents within the Brazilian Community” (Prevalência de Comprometimento Cognitivo e Fatores Associados nos Residentes mais velhos dentro da Comunidade Brasileira). Ele foi realizado com idosos do Sul de Santa Catarina e avaliou a prevalência do prejuízo cognitivo e fatores associados em super idosos ou idosos da quarta idade (idade igual ou maior que 80 anos). O estudo teve a participação de 165 idosos, sendo a maioria do sexo feminino.

Segundo a professora da Unesc, entre os principais problemas de saúde encontrados esteve a hipertensão, em 75,8% do caso, e como consequência disso, mais de 90% dos idosos pesquisados utilizavam algum tipo de medicamento e 95,2% utilizam anti-hipertensivos. O estudo observou também que a prevalência do prejuízo cognitivo foi de 35,2%, de depressão, 46,7% e de ansiedade, 12,7%. Já a avaliação de funcionalidade apontou que 67,3% dos idosos apresentaram independência complete ou modificada em relação as atividades básicas e instrumentais da vida diária.

“A pesquisa mostrou que o prejuízo cognitivo foi associado com índice de massa corpórea dos idosos, renda salarial baixa, incapacidade funcional e ansiedade. Existem poucos estudos focando esta faixa etária, portanto, este material é extremamente importante para estudar o processo de envelhecimento, já que a tendência dos países mais jovens é envelhecer e o objetivo principal é que os idosos atinjam a quarta idade com qualidade de vida”, afirma Josiane.

Trabalho premiado

A professora doutora Josiane Budni é membro da Sociedade Internacional para o Avanço da Pesquisa e Tratamento do Alzheimer. O trabalho apresentado na Conferência de 2018 foi premiado e por isso a professora da Unesc ganhou a inscrição completa no evento de Chicago. “Este prêmio é bastante concorrido, considerando a quantidade de participantes que a Conferência apresenta. Isso mostra que estamos no caminho certo da pesquisa em envelhecimento no PPGCS da Unesc e que o que fazemos aqui é pesquisa de ponta e muito respeitada em nível mundial. Este evento é primordial para atualização em demência, fazer novos contatos e principalmente mostrar o que estamos fazendo sobre o assunto na Universidade”.

Além de Josiane, o trabalho teve autoria de Ana Carolina Brunatto Falchetti Campos; Iara Gonçalves Teixeira; Nayara de Souza Moraes; Isabela de Jesus Cadorin; Ângela Mota; Raíssa Cardoso Figueiredo; Ewa Kucharska; Maria Inês da Rosa; Luciane Bisognin Ceretta e João Quevedo.

Colaboração: Milena Nandi.


07/08/2018  às 14hs37