18/03/2020  às 14hs20

Saúde

Vigésimo dia de coronavírus no Brasil é pior que o da Itália

No 20º dia após os primeiros casos, Itália tinha 3 diagnósticos confirmados; Brasil soma 291 confirmações.


Foto: Divulgação

Foto: Divulgação


Vinte dias após o primeiro paciente receber o diagnóstico de Covid-19 no Brasil, o país contabiliza 291 casos confirmados da doença causada pelo novo coronavírus.


Para comparação, no 20º dia após seus primeiros casos, Itália e Espanha tinham, respectivamente, 3 e 2 diagnósticos confirmados.


Especula-se que, por falhas em hospital de Milão, o salto da Itália foi rápido. Em 23 dias já eram 155 casos e três mortes; entre o 29º e o 30º dias, a epidemia explodiu e foram registrados mais de mil casos e 29 mortes. Hoje já há mais de 31 mil pessoas com Covid-19. Já a Espanha tem mais de 11 mil infecções confirmadas.


O Irã, por outro lado, já tinha 8.000 confirmações no seu 20º dia, mas, diferentemente dos países europeus, só dobrou esse número —hoje tem um total de mais de 16 mil.


Já a China ainda nem tinha uma quantificação oficial do surto 20 dias após o primeiro caso. Cientistas estimam que a primeira pessoa a contrair o Sars-Cov-2 (nome oficial do patógeno) tenha se infectado no final de novembro de 2019.


O vírus foi identificado somente no dia 7 de janeiro, e só após o dia 21 de janeiro, quando havia mais de 500 casos, é que os dados chineses começaram a ser sistematicamente disponibilizados.


Singapura e Coreia do Sul, exemplos positivos de como lidar com o coronavírus, não tinham tão poucos pacientes quanto os países europeus no 20º dia —58 e 28, respectivamente—, mas já adotavam medidas para conter a doença.


Singapura, em seu 20º dia, 12 de fevereiro, tinha um dos maiores números de infectados fora da China (que já somava na data quase 60 mil casos).


O número relativamente alto se devia ao programa de testes, que diagnosticou pessoas com sintomas leves.


A proibição à entrada de pessoas que passaram pela China aconteceu em 3 de fevereiro e a de quem tivesse passado pela Coreia do Sul veio depois, em 26 de fevereiro.


Da mesma forma, a Coreia do Sul testou o máximo possível de indivíduos suspeitos ou com relação com pessoas infectadas e se tornou referência para o mundo por seu modo de lidar com a epidemia.


Em seu 20º dia de epidemia, em 10 de fevereiro, o estágio de alerta era intermediário. Testes diagnósticos já eram distribuídos para postos de todo o país e todos os viajantes provenientes da China passaram a ser monitorados.


Depois de um pico no número de casos na Coreia do Sul (provavelmente causado por uma única pessoa que não foi adequadamente isolada e infectou centenas em uma igreja), o alerta subiu e a intensidade da resposta também.


Os indivíduos suspeitos passaram a ser monitorados, e os testes ganharam escala. Em 53 dias, o país de 51 milhões de habitantes já acumulou mais de 250 mil testes realizados.


No Brasil, que tem 209 milhões de habitantes, o número de testes realizados (entre suspeitos, confirmados e descartados) até esta terça (17) é de cerca de 11 mil, segundo o Ministério da Saúde. O teste tem sido feito apenas em pacientes mais graves.


A Fiocruz está aumentando a produção de kits diagnósticos para suprir a necessidade do sistema público do país.


Até agora, cerca de 20 mil kits foram disponibilizados. O Ministério da Saúde disse que avaliaria a sugestão da Organização Mundial da Saúde de ampliar a testagem, apesar do custo —cada exame custa mais de R$ 100— e da necessidade de importação dos insumos. O setor privado também aumenta sua produção.


Um artigo publicado nesta semana na revista médica Jama argumenta que países de renda baixa e média (categoria na qual está o Brasil) podem ter maiores dificuldades para lidar com a pandemia.


A recomendação é que o diagnóstico clínico seja feito caso testes moleculares não sejam possíveis. Outra preocupação é manter altos os estoques de medicamentos e outros itens necessários em internações, como respiradores.


Os EUA também tinham menos casos que o Brasil em seu 20º dia —apenas 13—, mas o baixo número de testes pode ajudar a explicar. Desde que começaram a circular as primeiras notícias sobre o vírus, no fim de janeiro, americanos encontram dificuldade para fazer o exame em diversas cidades do país.


As autoridades de saúde têm priorizado até agora pessoas que com os principais sintomas (febre e tosse seca) e que estiveram em contato direto com pacientes com diagnóstico. O


s problemas vão desde escassez no número de testes e material disponíveis até a morosidade dos protocolos.


Nenhum outro país, porém, teve um início de surto tão ruim quanto o Irã, que anunciou duas mortes já no primeiro dia de epidemia.


A falta de estrutura do sistema de saúde e até de material estão na raiz do problema. O país não impôs quarentenas e as autoridades de saúde têm entrado em conflito com as religiosas. Até agora, o governo brasileiro Brasil não adotou medidas muito drásticas —o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) anunciou nesta terça-feira (17) que vai fechar a fronteira do Brasil apenas com a Venezuela.


Além disso, o isolamento para viajantes, de sete dias, só é recomendado para pessoas com diagnóstico confirmado e contatos próximos.


Mortes na Itália sobem 16% em 24 horas


O número de mortes na Itália subiu de 2.158 para 2.503 nas últimas 24 horas, um aumento de 16%. O total de casos confirmados também aumentou —de 27.980 para 31.506 no mesmo período. Neste momento, o país tem cerca de 600 mortes a menos do que a China, que vive o surto de Covid-19 desde o fim de 2019.


Com informações do site Folha de São Paulo.


18/03/2020  às 14hs20