19/04/2021  às 13hs10

Geral

Para evitar prejuízo, avicultor de Orleans conserta ponte com investimento próprio de R$ 48 mil


Foto: ketully Beltrame

Foto: ketully Beltrame


Para evitar prejuízos maiores, o morador da comunidade de Boa Vista, interior de Orleans, Márcio Alberton, que trabalha com avicultura e gado leiteiro, decidiu consertar, por conta própria, uma ponte danificada após uma enxurrada registrada no dia 3 de março, o que fez com que a estrutura cedesse por volta de 55 centímetros. O custo da obra foi no valor de R$ 48 mil.


Ele mora no local há aproximadamente 23 anos. A ponte de concreto situada em uma estrada municipal foi construída em 2011. Anteriormente, desde 2007, havia uma estrutura de madeira no local. "Como a estrutura foi feita em 2007 e a Prefeitura talvez não tivesse tanto maquinário, não foi construída em cima de uma laje firme. Foi feita em uma pedra, na terra mesmo. Passou todo este tempo, somando a erosão e bastante chuva, começou a sair pedra dali. Provavelmente, como não foi feita para suportar estrutura de concreto, ela cedeu", contou.


Durante a entrevista, ele disse que o prefeito Jorge Koch, em visita ao local, afirmou que o reparo levaria entre três e seis meses para ser executado, por depender a Defesa Civil do Estado. Um acesso alternativo foi feito de forma provisória pelo morador, com apoio da Prefeitura. Contudo, com a chuva, já apresentou problema. Por considerar os prejuízos que teria caso fosse esperar o prazo dado pela Administração Municipal, ele providenciou também o reparo na ponte de concreto. Os trabalhos duraram por volta de 15 dias.


"Eu esperei 20 dias pelo prefeito, mas ele falou que dependia da Defesa Civil. Financeiramente, era inviável para mim esperar seis meses. Na semana em que aconteceu aquilo, eu entregaria um lote de frango. Então eu perdi aproximadamente R$ 25 mil. Ficaria inviável perder mais. Aí teve mais os R$ 48 mil para a obra. Acredito que não há empresa em que fique seis meses de portas fechadas e depois abre da noite para o dia, como se nada tivesse acontecido. Comigo, não seria diferente".


O morador conta que buscará o reembolso por via judicial. "Querendo ou não, faz muita falta", afirmou. "Foi um descaso, falta de vontade. Ou, talvez, não daria a visibilidade que o prefeito queria. Vou dizer uma coisa: a Prefeitura, para mim, pode fechar as portas. Porque o que eu vou pedir mais como cidadão? O que mais eles poderiam me atender?", concluiu.


Confira a entrevista completa no Jornal da Guarujá, neste link!


19/04/2021  às 13hs10